Brasil

[Brasil][bsummary]

Ciência e Tecnologia

[Ciência e Tecnologia][list]

anuncie



EPC Miguá recebe a exposição PRECE 20 anos

À direita, o matadouro municipal; à esquerda, uma estrada carroçal com destino a comunidades rurais, entre elas, Ferrão, Pedra Branca, Cacimbinha e Miguá Terra. Mesmo na boleia do pau-de-arara, o sol fadiga e a poeira sufoca. A paisagem é bonita, os vilarejos possuem ar nostálgico e, entre o amarronzado da paisagem, se depara, de repente, com um amarelado intenso de um pé de planta florido. No Ferrão, Seu Chico Avelino está de prontidão para receber as visitas, um sorriso e um conselho é dado de graça, “trate bem aos seus pais”. Mais à frente se chega à Miguá. No alto de um amontoado de barro está a escola municipal da comunidade, desativada há dois anos, abriga a Escola Popular Cooperativa (EPC) Miguá Terra.


Por do sol em Miguá

A exposição itinerante PRECE: 20 anos de protagonismo, cooperação e solidariedade chega ao fim, no mês de comemoração dos 21 anos do PRECE. A EPC Miguá Terra recebe a última montagem desta mostra. Criada em 2009, a escola popular conquistou sua vitória mais recente com o vestibular 2015.2 da Universidade Estadual do Ceará (UECE), a precista Aldenora Castro foi aprovada para o curso de geografia. A comunidade acolhe a exposição como parte da comemoração. Na noite de sábado (10), o prédio que costuma ficar escuro, se iluminou. Em frete a um lençol branco, algumas dezenas de moradores compartilharam o filme “O Preço do Amanhã,” abertura do projeto Cine Pipocando. “Esse negócio de filme não é para mim”, confessa Seu Aloízio que prefere ficar no pátio para prosear. “Amanhã venho para o café, liguei hoje para o compadre Zé Alfredo e ele disse que vai vir para comer do bolo que doei”, deixa avisado.


Cine Pipocando

Na manhã de domingo (11), quem chegava ao prédio se deparava com uma mesa farta, frutas, bolos e tapiocas de todos os jeitos. O café da manhã comunitário marcaria a abertura da última instalação da exposição PRECE 20 anos. Antes do café, houve a conversa. Reunidos em círculo, os moradores compartilharam as histórias vividas em torno do PRECE.Seu Aloízio contou sobre a ida do seu Compadre Zé Alfredo para estudar “lá no Arãozinho”, se refere a Cipó, onde vive a família do Seu Arão Andrade. Zé Alfredo, precista da EPC Boa Vista e engenheiro agrônomo, foi provar do bolo do compadre e contar as histórias vivenciadas com os estudantes da EPC Miguá. Mais duas EPCs enviaram representantes, de Cipó estava o Vanklane, precista também engenheiro agrônomo; de Pentecoste apareceu o Tony Ramos, professor da escola profissionalizante do município.


Café da manhã comunitário

Os pais da precista Maria Juliana moram atrás da escola municipal desativada. Moradora de Miguá, ela ouviu, em 2004, que havia um grupos de estudantes a viver em uma casa de farinha desativada e a estudar de baixo de um pé de juazeiro. Chamou duas amigas e foi atrás de saber se aquilo era verdade. Estudou no Cipó durante um semestre, no ano seguinte, juntou mais quatro amigos e foram para Boa Vista, uma comunidade mais próxima. Ali, Seu Zé Alfredo liderava um grupo que estudava em barracas improvisadas, o PRECE se multiplicava. 4 anos mais tarde, Juliana, Gláubia, Nívea, Wesley e Weverton levaram o PRECE para o Miguá. Professora de Biologia da Escola Estadual de Educação Profissionalizante de Pentecoste, Juliana acredita que a exposição itinerante ajuda a comunidade a compreender que aquela história não acontece apenas ali, mas que é muito maior.

Aldenora com a mãe, Dona Maria Luíza

Aldenora conta que cresceu como pessoa junto com a EPC. A timidez já não aparece como uma barreira; do envolvimento com o grupo de estudo, a mais recente universitária, passou a atuar na associação e na igreja. Aldenora se constrói na vivência em comunidade. DonaMaria Luíza, a mãe de Aldenora, não cansa de afirmar o orgulho da caçula de dez filhos. A companhia da filha não será mais tão constante, agora, só aos fins de semana, mas afirma ser preciso lidar com a saudade e com a apreensão da filha sozinha na capital. A aposentada trabalhou 20 anos na antiga escola municipal, aquele espaço sempre esteve presente na vida da família. Por duas décadas, foi onde Dona Maria colheu parte do sustento da família. Ali, Aldenora conquistou o direito de crer em si mesma.


Espaço de fotos da EPC Miguá

A exposição PRECE 20 anos fica até dia 17/10, na EPC Miguá Terra.

Fonte: Memorial do Prece
Raimundo Moura

Radialista formado, blogueiro, graduando em serviço social e Conselheiro Tutelar, atualmente apresento o Programa Alerta Geral Vale do Curu pela 91.9 de Pentecoste e colaboro com o Jornal Integração da Atitude FM de Itapajé.

Comente
  • Blogger Comment using Blogger
  • Facebook Comment using Facebook

Nenhum comentário :



Entretenimento

[Entretenimento][grids]

Saúde

[Saúde][bsummary]

Negócios

[Negócios][twocolumns]

Esportes

[Esportes][threecolumns]